Arquivos

Kinemortophobia: Medo de Zumbis

A Kinemortophobia é muitas vezes considerada uma piada onde, na realidade, é uma fobia muito real. Kinemortofóbicos têm medo de zumbis, ou medo de se transformar em zumbis. A palavra é derivada do grego “Kine”, que significa “mover”, e latim “mort”, que significa “mortos”, combinados para formar Kinemorto que significa, basicamente,“Mortos que Caminham”.

Pessoas que têm zumbi-fobia são tão aterrorizadas por esses “mortos-vivos”, que mesmo se alguém fizer uma imitação de zumbis (rigidez nas pernas, com os braços abertos, pintar o rosto, falar sem coerência, gemido, etc.) eles experimentam um completo ataque de pânico. A maioria dos Kinemortofóbicos perdem o sono por causa desse medo e não compreendem o fascínio cultural por zumbis.

Como todas as outras fobias, o medo de zumbis pode ser rastreado até episódio negativo ou traumático relacionado a esses canibais vivendo com o cérebro morto. Uma criança pode ter ficado com medo depois de assistir a um filme ou ler um livro sobre zumbis. Um irmão mais velho ou amigo poderia ter se vestido como um para aterrorizar a criança. Halloween pode ter exacerbado esse medo quando quase todos ao redor se vestem como um Zumbi.

Sintomas de medo de zumbis

Como a maioria das outras fobias específicas, o medo de zumbis também leva a uma variedade de sintomas físicos e emocionais:

• Ataque de pânico completo: gritos, choro, tremores incontroláveis, sudorese ou sensação de náusea, etc. Frequência cardíaca elevada, respiração rápida e sensação de “estômago em nós” também é relatada por Kinemortofóbicos.

• O fóbico pode evitar todas as coisas relacionadas aos zumbis: filmes, livros, jogos, etc.

• Eles muitas vezes têm problemas para dormir. Pesadelos são sintomas comuns de zumbi-fobia. A falta de sono muitas vezes leva ao estresse, incapacidade de se concentrar na escola ou no trabalho, etc.

• Muitas vezes, o indivíduo é incapaz de expressar seus medos: ele pode se sentir entorpecido ou desapegado da realidade, ou ter pensamentos constantes como filmes passando em sua mente.

Em casos extremos, a pessoa pode se tornar socialmente retraída ou deprimida. Ele/Ela pode evitar amigos que provocam ele/ela sobre a fobia. Sleepovers e Halloweens podem ser especialmente traumático para esses indivíduos.

Anúncios

Curta-metragem: “Lights Out”, de David F. Sandberg,

Muita gente diz não ter medo do escuro e, se alguém perguntar, vai negar até a morte e afirmar que isso é coisa de criança. Mas quando a noite chega, a escuridão se apodera e a quietude se torna aterrorizadora. É aí que tudo começa, o frio na espinha, a sensação de estar sendo observado e então surge a dúvida:
“O que se esconde no escuro?”

TENHA MEDO DO DESCONHECIDO. NÃO DURMA COM AS LUZES APAGADAS!

Carrie, a Estranha

Carrie White é uma jovem quieta, não propriamente bonita, que não faz amigos em virtude de morar em quase total isolamento com sua mãe Margareth, uma mulher rígida e religiosa. Quando menstrua pela primeira vez, a menina vira motivo de riso da escola inteira. A garota é menosprezada pelas colegas e Sue Snell, uma das alunas que zombam dela, fica arrependida e pede a seu namorado que convide Carrie para um baile no colégio. Mas Chris Hargenson, uma aluna que foi proibida de ir à festa, prepara uma armadilha para ridicularizar Carrie em público. O que ninguém sabe é que Carrie tem poderes paranormais.
Em minha opinião esse é um daqueles filmes que apesar de ser oficialmente de terror, deixa o público triste por causa de todo o sofrimento do personagem, e isso acaba se tornando mais relevante que os estragos que ele causou. Não importa quantas vezes você assista, sempre vai se emocionar.
É fato que a versão original (1976) tem peso, mas particularmente tenho preferência pela versão de 2002. Vale à pena assistir as duas versões.
Há também a versão de 2013, no entanto o remake foi considerado por muitos como um insulto à versão original. Mas nada melhor do que tirar suas próprias conclusões.

1976 (Sissy Spacek)
Link: http://www.assistaterroronline.com/2013/03/carrie-estranha-1976-carrie-dublado-hd.html

2002 (Angela Bettis)

2013 Chloë Grace Moretz
Link: http://www.filmesonlinegratis.net/assistir-carrie-a-estranha-2013-dublado-online.html

Pitty – Medo


Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo de ter, medo de perder
Cada um tem os seus
E todos tem alguns
Suando frio, as mãos geladas
Coração dispara até sufocar

Só trememos por nós mesmos
Ou por aqueles que amamos
Homem que nada teme
É homem que nada ama

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Paranóia hi tech é a sindrome
Contagioso, manipulador
Antiga batalha:
O homem e seu pavor
Nocivo se paralisa

Só trememos por nós mesmos
Ou por aqueles que amamos
Homem que nada teme
É homem que nada ama

Se corre o bicho pega
Se fica o bicho come

Se corre o bicho pega
Se fica o bicho come

Se corre o bicho pega
Se fica o bicho come

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Medo, escorre entre os meus dedos
Entre os meus dedos
Eu lambo os dedos
E saboreio meu próprio medo

Letra: http://letras.mus.br/pitty/1492725/

BORBOLETAS

Aporia_crataegi-JB

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de
se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar… nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam… não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar
não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

borboletas azuis

— Mario Quintana

Desculpe, mas estou de luto!

547024_573120032747389_519390702_n

O POVO BRASILEIRO PERDEU MAIS UMA BATALHA (PRA NÃO DIZER A GUERRA).

O NOSSO MAIOR SÍMBOLO VIROU-SE CONTRA O POVO.

Nem sei o nome do sentimento que estou sentindo, parece que estão todos misturados.

Omissão de socorro não é crime? Nós [BRASILEIROS] contávamos com essa ajuda, agora todas as esperanças de um país melhor foram esgotadas.

Parece que o certo tornou-se errado e o que era errado agora está certo, INVERSÃO TOTAL DE VALORES.

Tenho vergonha de ser brasileiro!

 

Medo de Perder (Ciúme)

medodeperder
Você já notou como o mundo está repleto de medo? As angústias estão mais presentes na vida das pessoas do que sua própria sombra.
O medo de perder é o maior obstáculo para o nosso crescimento. Sobretudo o medo de perder alguém que nós dizemos amar.
Ciúme é o medo de não possuir alguém, de não ser dono de alguém. Na relação ciumenta colocamos nós e o outro como objeto, como se objeto e pessoa fossem a mesma coisa. No ciúme temos medo de algum dia sermos rejeitados, dispensáveis à outra pessoa. Esta emoção é sofrimento de apego, torna a relação confusa, sofrida. Isto já vem de nossa cultura quando dizem que o ciúme é a maior prova de amor. O que é justamente o oposto do amor. Na relação amorosa existe identidade: “eu sou independente de você”. Perde-se a identidade quando se diz: “eu sem você não valho nada, pra mim você é tudo”. O amor é solto, livre, vem do verdadeiro querer. Sem prisão de sentimentos, bem o contrário do ciúme, que amarra, prende, condiciona. A pessoa já não é ela mesma, mas ela é o que o outro quer que ela seja. Pra que também ela seja o que o outro quer. É um pacto de destruição mútua. Quando um usa o outro na garantia de não ficar sozinho, de não ser abandonada, passamos a vida inteira com medo de sermos hoje totalmente dispensáveis.

Fonte: http://www.vivercomalma.com.br/txt/medo.de.perder.htm