Conheça Roraima – Serra do Tepequém

Diz a lenda que um vulcão vivia zangado, lançando suas chamas a longas distâncias. O fogo derramava suas chamas serra abaixo e tudo virava cinzas. Árvores, bichos, tudo. Na maloca, o Tuxaua, preocupado com a sobrevivência de sua tribo, consultou o Pajé e se reuniram em volta da fogueira.


Num gesto de renúncia, as três mais belas índias virgens da tribo se ofereceram em sacrifício e se lançaram no fogo do vulcão, que aplacou sua ira.


As lágrimas da três índias até hoje são encontradas em forma de diamantes em toda a Serra do Tepequém. Ao lado dessa imponente serra, três outras menores representam as três índias da maloca.

Essa lenda conta bem o fascínio que a Serra do Tepequém representa desde os tempos em que era um dos eldorados do garimpo em Roraima.


Encrustrada onde um dia foi um grande vulcão de 1.100 metros de altitude, a Serra do Tepequém possui um imenso vale cortado pelos igarapés Sobral e Paiva, que dão nome também às duas vilas – ou currutelas, como os antigos garimpeiros às denominam.


A mais antiga delas, a Vila do Cabo Sobral, nos áureos tempos do garimpo, nas décadas de 30 e 40, chegou a ter uma rotatividade de quase 5 mil moradores, com infra-estrutura de comércio e até mesmo um pequeno “clube” onde os garimpeiros se divertiam. As ruínas desse Tapiri ainda podem ser vistas na vila e as histórias ainda são contadas pelos poucos moradores que ainda resistem em ficar por ali, na maioria idosos.


É nesse ambiente cercado de magia e recheado de história que está localizada a Estância Ecológica Sesc Tepequém, um verdadeiro paraíso para quem ama a natureza.

 

Como chegar
Para chegar à Estância Ecológica Sesc Tepequém, o turista deve pegar a BR 174, sentido Venezuela, até o km 102. A partir dali, percorre 58 quilômetros pela RR-203, até a Vila Brasil, sede do município de Amajari. Depois dali, são mais 48 quilômetros até a estância. Todo o percurso está asfaltado.


Não é difícil avistar animais como tamanduás, jabutis, além de aves como gaviões, garças e outros pequenos voadores que embelezam o caminho e podem render boas fotos para o álbum de recordações.


O viajando também é brindado com uma vista de encher os olhos. Imensos buritizais encortinam a paisagem, formando um grande painel verde, de onde se ouve o tilintar de pássaros e, vez ou outra, pode-se deliciar com a revoada de centenas deles.


Depois de passar por todo esse deleite, chega-se ao trevo do Trairão, onde efetivamente começa a parte de maior aventura da viagem, que é a subida da serra.


É importante lembrar que é preciso estar com o carro em perfeitas condições e devidamente tracionado. São cerca de 4 quilômetros ladeira acima, com muitas curvas e o agravante de algumas crateras laterais na estrada causadas pela chuva.


Depois de vencida essa “batalha”, chega-se finalmente à estância, onde depois de acomodada a bagagem pode-se relaxar numa rede e nadar nas águas geladas da represa construída no igarapé que corta a área. A partir de então, a escolha fica a cargo do turista, que pode optar entre uma sessão de relaxamento e contemplação da natureza ou se embrenhar pela serra à procura de aventura.

O que tem pra ver
Além da exuberância do visual serrano, com todas as suas especificidades, o turista que gosta de aventuras não terá do que reclamar. O local é ideal para a prática do trekking (caminhada), já que as cachoeiras não têm acesso direto para carros.


O mais comum, é deixar os carros nas proximidades de uma das vilas, onde os próprios moradores podem servir de guias para as cachoeiras do Paiva, Sobral, da Barata e do Funil, que estão a cerca de 30 minutos a uma hora de caminhada das “currutelas”.


O turista mais incauto pode se aventurar numa subida ao platô, ponto culminante de toda a serra. Para tanto, é necessária a contratação de um guia – alguns moradores da vila se dispõem a esse serviço – e estar bem preparado fisicamente para caminhar por cerca de duas horas e meia por trilhas abertas no meio da mata. Nesse caso também, é bom não esquecer de levar um cantil com bastante água e alimentos energéticos como barras de amendoim, chocolate, entre outros.


Quem se aventura à subida tem uma das visões mais espetaculares da serra, avistando a enorme cadeia de montanhas que delimita a fronteira Brasil-Venezuela e o enorme vale que um dia foi a cratera do extinto vulcão.

Fonte: http://www.rr.sesc.com.br/sesctepequem.htm

Visite o site do SESC/RR para mais informações: http://www.rr.sesc.com.br/sesctepequem.htm

Fotos retiradas da internet (busca no Google imagens: Serra do Tepequém)

Visualize a Serra do Tepequém no Google Earth:   3°46’15.71″N  61°43’48.02″W (é só copiar e colar em pesquisar).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s